Jacarezinho

Vereadores acusam Dr. Sérgio de prejudicar população por pirraça

Jacarezinho pode ficar sem serviços essenciais a partir de janeiro, caso o prefeito não prorrogue contratos com os terceirizados 

Sérgio assinalou que não quer prorrogar os contratos em virtude da recomendação do Ministério Público
CRÉDITO: Antônio de Picolli

Da Redação


A ingerência do prefeito de Jacarezinho, Sérgio Eduardo Farias, mais conhecido como Dr. Sérgio, foi um dos assuntos mais discutidos durante a sessão da Câmara de Vereadores, na segunda-feira, 7. De acordo com os parlamentares, o gestor se recusa a prorrogar os contratos com terceirizados da prefeitura, por perseguição política, no intuito de prejudicar o início da gestão do prefeito eleito, Marcelo Palhares. Caso os contratos não sejam renovados, o Município poderá ficar sem os serviços essenciais a partir de janeiro, interferindo nos setores de limpeza, segurança, saúde e outros. 

Vereadores não poupam críticas a posição do prefeito durante sessão ordinária

O presidente da Câmara, Fúlvio Boberg, pediu ao prefeito durante sessão ordinária, para que tenha a sensibilidade de entender a importância dos serviços prestados por empresas e trabalhadores para a população. “Caso esses contratos não forem prorrogados em 90 dias, e se o município precisar abastecer uma ambulância no dia 2 de janeiro, não tem combustível. Todos os seguranças serão mandados embora. Por isso faço um apelo ao chefe do Executivo, pare de picuinha e intriga. Sabemos da recomendação do Ministério Público para que não renove, mas a prioridade agora são os serviços essenciais. Jacarezinho vai fazer o que se uma pessoa passar mal?”, questiona. 

Boberb ainda alerta que os vereadores estão aguardando a negativa dele oficialmente para providências cabíveis. “Caso ele não prorrogue, provavelmente vai responder por uma ação civil pública”, indica. 

Indignado com a postura imatura do prefeito, o vereador Edilson da Luz, detalha que o Ministério Público apenas recomenda, mas não tem o poder de mandar. “O MP tem que mandar na casa deles, na nossa quem manda somos nós. E não é a vida do prefeito que está em questão, é a vida das pessoas que estão trabalhando, servidores de escolas, creches, limpeza municipais e mais outras empresas que prestam serviço, como o posto de combustível. Nós não teremos condições de fazer o transporte de pacientes TFD (Transporte Fora do Domicílio) porque não teremos combustível nos veículos”, lamentou Edilson. 

Para o parlamentar, Luiz Carlos do Nascimento Dr. Sérgio pela primeira vez tinha que ser mais objetivo e entender que recomendação não é lei. “Os princípios que precisam ser cumpridos em uma administração pública, legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência”, disse. 

José Izaías Gomes, mais conhecido como “Zola”, também não poupou críticas ao prefeito. “A ficha dele não caiu ainda, ele está achando que vai ser prefeito ainda. Se o próximo prefeito fizer uma auditoria nessa prefeitura, o que vai achar de lambança é inacreditável. Ele está fazendo isso de maldade mesmo, para prejudicar o prefeito que vai assumir. Isso é mágoa, de apoiar um candidato que não se elegia nem a vereador”, alfinetou.  

O vereador André de Souza Melo, popularmente conhecido como “Pastor André”, diz que o prefeito é inteligente, mas não quer usar a inteligência. “Ele tem que descer do pedestal, assumir o resultado das urnas e prorrogar esses contratos para que a população não venha a sofrer. Deixar o orgulho de lado. Sempre tive paciência e achando que a coisa ia andar, mas esse prefeito não é do diálogo, não conversa com as pessoas. O “cabra” é ruim demais. Passou os oito anos dele como prefeito e a população não pode sofrer com isso”, desaprovou o pastor.

A reportagem da Tribuna do Vale procurou o prefeito Sérgio Faria para se pronunciar sobre o assunto através de contato telefônico, mas ele não atendeu as ligações. 

Deixe um Comentário