Jacarezinho

Candidatos impugnados são derrotados nas urnas

Kaneko em Andirá, Tina em Jacarezinho e Efraim em Siqueira Campos conseguiram se manter no pleito, mas foram preteridos pelos eleitores


Tina contou com a morosidade da justiça, mas não com o apoio popular, e foi derrotada nas urnas

Da Redação


Se a justiça por vezes é morosa e repleta de instâncias, as urnas não. Na região todos os candidatos a prefeito impugnados acabaram derrotados por opção dos eleitores. A única exceção foi Edimar de Freitas Alboneti, o Edão (DEM), em Barra de Jacaré, e que conseguiu vitória no TRE (Tribunal Regional Eleitoral) do processo que respondia. Nas demais situações o voto foi “a mão da justiça” e impediu que candidatos com pendências junto à Justiça Eleitoral saíssem vitoriosos do pleito de 2020.

Em Andirá a Justiça Eleitoral havia indeferido o pedido de candidatura do ex-prefeito Carlos Kanegusuku, o Kaneko (PROS), por conta de pendências judiciais de condenações no exercício do cargo. O candidato foi gestor da cidade entre os anos de 1989 e 1992 e de 2001 a 2004.

A coligação Liberdade e Oportunidade, contudo, optou por manter a candidatura, mesmo com o risco do candidato não ser diplomado caso vencesse a disputa contra a atual prefeita, Ione Abib (PSD).

Os eleitores, porém, não deixaram a situação ficar por conta da justiça e reelegeram Ione com 62% da preferência e vantagem de 3,5 mil votos sobre Kaneko.

Barra do Jacaré é que vive uma situação diferenciada. Edão teve o pedido do registro de candidatura indeferido por problemas referentes à sua gestão em um consórcio intermunicipal, entretanto sanou a questão e posteriormente teve a candidatura aceita por unanimidade dos juízes do TRE. Eleito, deve assumir o cargo de prefeito sem nenhum tipo de restrição.

Em Jacarezinho Tina Toneti (PT) alegou de diferentes formas que estava apta a concorrer ao cargo que já ocupou por dois mandatos entre 2005 e 2012, de onde vem uma condenação por gastos ilegais com publicidade institucional em ano eleitoral. A petista teve a candidatura negada pela Justiça Eleitoral e perdeu também no TRE, mas como não houve tempo para mudanças, uma vez que a decisão aconteceu há quatro dias do pleito, teve o nome mantido nas urnas.

De qualquer forma, se Tina teve a morosidade da justiça como aliada, não teve o eleitorado de Jacarezinho, que optou por Marcelo Palhares (PSD) como novo prefeito, eleito com 50% da preferência do eleitorado e 2,5 mil votos a mais que a petista.

Em Siqueira Campos o pior desempenho entre os candidatos previamente impugnados. Efraim Bueno de Morais (MDB) ficou em último numa eleição com cinco nomes. O ex-prefeito de Quatiguá mudou de domicílio eleitoral, mas não se livrou dos problemas que o impediram de assumir a prefeitura de Quatiguá pela terceira vez em 2016 ao ser o vencedor da eleição, mas não levar justamente por estar impugnado à época.

Agora, na cidade vizinha, não repetiu o bom desempenho eleitoral e obteve 445 votos, o equivalente a 4% da preferência do eleitorado siqueirense.

Deixe um Comentário