Ribeirão Claro

Ribeirão Claro perde recursos na Saúde por incompetência administrativa

Entre 2018 e 2019, município ficou oito meses sem alimentar o Sistema de Informação em Saúde para Atenção Básica

Da Redação


Um dos principais setores de qualquer município é o da Saúde, que depende de recursos para atender às necessidades da população. Mas em Ribeirão Claro, num rápido levantamento, nota-se o verdadeiro descaso e incompetência administrativa da atual gestão.

Entre 2018 e 2019, o município ficou suspenso de receber a transferência de incentivos financeiros do Ministério da Saúde por alguns meses, pelo simples fato de não alimentar Sistema de Informação em Saúde para Atenção Básica (SISAB).

A primeira suspensão foi anunciada através da Portaria nº 3.647, de 14 de novembro de 2018, suspendendo repasses por ausência de alimentação do SISAB, pelo período de três competências consecutivas, referente a junho, julho e agosto de 2018.

Posteriormente, através de outra Portaria nº 4.425 de 28 de dezembro de 2018, o Ministério da Saúde suspendeu novamente os repasses pelo mesmo motivo, ausência de alimentação no sistema referente aos meses de agosto, setembro e outubro de 2018.

E como se não bastasse, a Portaria nº 214, de 7 de fevereiro de 2020, novamente o município estava suspenso de receber os recursos por não alimentarem o sistema entre os meses de setembro, outubro e novembro de 2019.

As suspensões são referentes: aos Agentes Comunitários de Saúde (ACS), Equipes de Saúde da Família (ESF), Equipes de Saúde Bucal (ESB), Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica (NASF-AB), Equipes de Consultório na Rua (eCR), Equipes de Saúde da Família Fluvial/Unidade Básica de Saúde da Família Fluvial (ESFF/UBSF), Equipes de Saúde no Sistema Prisional (ESP) e Unidade Odontológica Móvel (UOM), com ausência de alimentação do Sistema de Informação em Saúde para Atenção Básica (SISAB).

A equipe de reportagem da Tribuna do Vale resolveu consultar o ano de 2020, para averiguar a assiduidade da alimentação no sistema no presente ano. Porém (foto) mais uma vez confirma-se que o sistema novamente não está sendo alimentado, deixando assim mais uma vez de receber repasses do Ministério da Saúde. Houve pouquíssima atualização no sistema entre janeiro e setembro de 2020, e isso, só vem a confirmar o desgoverno de uma gestão que quer se reeleger com a bandeira “Ribeirão Claro Não Pode Parar”.

 

 

Deixe um Comentário