Até 2030, Brasil deve assumir liderança com maior exportador de algodão do mundo

Para safra 2020/2021, a produção de algodão em pluma do Brasil deve atingir 2,67 milhões de toneladas

Agroin Comunicação


A Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa) acredita que o Brasil tenha potencial para se tornar o mais exportador de fibra do mundo até 2030. Hoje, os Estados Unidos estão no topo como principal exportador mundial, negociando quase 3,2 milhões de toneladas. Quatro maior produtor de algodão, o Brasil ocupa o segundo lugar. 

Para o vice-presidente da Abrapa e futuro mandatário da entidade, em 2021, Júlio Cézar Busato, a qualidade do algodão brasileiro já é destaque mundo afora. Após a instalação de um escritório em Singapura, as negociações da pluma nacional tendem a aumentar no mercado externo.

“Com certeza seremos o primeiro exportador do mundo. É só uma questão de tempo. Vamos trabalhar para alancar a liderança antes de 2030. Mas para isso, o preço do algodão tem que trazer maior rentabilidade ao produtor para aumentarmos a área plantada. Além disso, precisamos conquistar novos mercados, o que não é tarefa fácil”, disse em entrevista ao Agrolink.

Para safra 2020/2021, a produção de algodão em pluma do Brasil deve atingir 2,67 milhões de toneladas. Já as exportações da pluma seguem com tendência recorde e podem atingir marca histórica de 2 milhões de toneladas em 2020, segundo dados da Conab.

Neste ano, o mercado brasileiro consumiu quase 1/3 da produção nacional, chegando próximo de 750 mil toneladas. O restante da produção é exportado, principalmente para Ásia, que responde por 98% dos embarques nacionais.

Autoria: Lucas Rivas | Agrolink


Sair da versão mobile