Saúde

Ansiedade: pesquisadores encontram células produzidas no cérebro

Vivian Cury Lunardi

Foi realizado mais uma pesquisa científica das Universidades de Columbia e da Califórnia, nos Estado Unidos, que conseguiu identificar uma espécie de “células de ansiedade”, localizadas no hipocampo. De acordo com os especialistas, elas não só regulam o comportamento ansioso, mas também podem ser controladas por um feixe de luz. Uma descoberta dessas podem significar um passo importante no desenvolvimento de medicamentos mais efetivos para a doença, por meio do controle dos neurônios.

Para realizar tais experimentos, a equipe inseriu microscópios em miniatura nos cérebros de ratos, com o objetivo de registrar a atividade das células à medida que os animais caminhavam por um labirinto. Nesse labirinto, haviam caminhos levavam os animais a espaços abertos e plataformas elevadas, conhecidos por induzir ansiedade em camundongos, devido à maior vulnerabilidade aos predadores.

Os pesquisadores observaram que, com os ratos longe da segurança das paredes, algumas células começaram a ser disparadas em uma parte do hipocampo – e que quanto mais ansiosos os ratos ficavam, maior a atividade dos neurônios. Segundo os responsáveis pela pesquisa, essas células são produzidas no hipotálamo, uma região do cérebro que é responsável por regular os hormônios que controlam as emoções e esse mesmo processo também ocorre nas pessoas. Os pesquisadores usaram um feixe de luz nas células do hipocampo, e conseguiram silenciar os neurônios de ansiedade.

Pesquisadores descobriram como controlá-las

            O Brasil é o país com a maior taxa de pessoas com transtornos de ansiedade no mundo. Segundo estimativas da Organização Mundial da Saúde (OMS), 9,3% dos brasileiros têm algum transtorno de ansiedade. A boa notícia é que essas descobertas podem dar esperança para um tratamento mais eficaz.

“Agora que descobrimos essas células no hipocampo, abrimos novas áreas para explorar ideias de tratamento que não conhecíamos antes”, disse uma das pesquisadoras, Jessica Jimenez, da Universidade de Columbia. Os cientistas inclusive já descobriram uma maneira de controlar esses neurônios. Usando uma técnica que brilha um feixe de luz nas células do hipocampo, eles conseguiram silenciar as células de ansiedade nos ratos, deixando-os mais tranquilos para seguir caminhando pelo labirinto.

O próximo passo é descobrir se o mesmo ocorre na ansiedade humana. Se isso realmente acontecer, esses resultados poderiam abrir uma nova liderança de pesquisa em maneiras de tratar várias condições de ansiedade. “Nós já temos um alvo”, disse o neurocientista Mazen Kheirbek, também autor do estudo.

Importância no acompanhamento psicológico.

É importante lembrar que a ansiedade é uma reação natural e que quando isso prejudica o cotidiano da pessoa é de extrema importância investigar as causas e compreender o processo que causa a ansiedade disfuncional. A ansiedade exacerbada pode prejudicar a vida em diversos aspectos, profissional, pessoal e inclusive pode prejudicar os relacionamentos por falta de compreensão.

Meu nome é Vivian Cury, sou psicóloga e entre os dias 25 e 31 de Outubro ocorrerá a “Semana: Controlando a Ansiedade na Prática”, onde eu irei disponibilizar técnicas e exercícios na prática, validados cientificamente, que irão te ajudar a identificar os gatilhos antes das crises de ansiedade, quais tipos de ansiedade existem, quais os sintomas, entre outros conteúdos para você ter uma rotina mais produtiva e menos ansiosa.

As vagas serão limitadas e o prazo também” Entre os dias 17 e 19 de Outubro de 2021, será disponibilizado no link na bio do Instagram @vivian_cury.

Também realizo atendimentos psicológicos e treinamento de Inteligência, em todo o Brasil, on-line. Minha missão é ajudar as pessoas através da minha profissão. Te espero lá.

Texto por Vivian Cury Lunardi

Psicóloga e Hipnoterapeuta.

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
%d blogueiros gostam disto:

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios