Saúde

Vacinação tem a menor taxa de cobertura nos últimos 30 anos
Pequeno Príncipe alerta sobre a importância de manter o calendário vacinal atualizado, principalmente entre crianças e adolescentes

Wynitow Butenas/Hospital Pequeno Príncipe


Curitiba, 19 de outubro de 2022 – A vacina é a principal forma de prevenir diversas doenças. No entanto, os números da cobertura vacinal tiveram queda nos últimos anos – em 2019 foram 73%, já em 2021 caíram para 60% no país. Em todo o mundo, a cobertura vacinal chegou à menor taxa dos últimos 30 anos. Os dados são alarmantes, principalmente no Brasil, que está entre os dez países com a maior quantidade de crianças com a vacinação atrasada, segundo a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS).
Por isso, no mês em que se celebra o Dia Nacional da Vacinação, o Hospital Pequeno Príncipe reforça a importância da imunização especialmente para esse público. A cobertura vacinal para a poliomielite, por exemplo, ficou abaixo de 80% em quase toda a América do Sul nos últimos anos, de acordo com a OPAS. O Brasil está com alto risco de reintrodução do vírus, que teve o último caso registrado em 1989.
As crianças estão mais suscetíveis às doenças, pois o sistema imune delas ainda se encontra em desenvolvimento. Além disso, o contato com outras crianças, que também estão nessa situação, é maior. “A imunização traz benefícios imediatos e futuros, pois previne a doença e também possíveis sequelas graves, como uma surdez depois de uma infecção ou uma diabetes decorrente de uma infecção por caxumba”, explica a pediatra e coordenadora do Centro de Vacinas Pequeno Príncipe, Heloisa Ihle Garcia Giamberardino.
Por isso, a vacinação é fundamental e não pode ser deixada de lado. O Brasil possui o Programa Nacional de Imunização (PNI), um dos maiores do mundo, que prevê o Calendário Nacional de Vacinação, que precisa sempre estar atualizado. “No caso das crianças e adolescentes, é papel dos pais ter atenção ao cronograma vacinal e levar os filhos para serem imunizados. Isso é mais do que um direito garantido pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), é um ato de amor e responsabilidade coletiva”, completa a pediatra.
Cada faixa etária possui imunizantes específicos e fundamentais, passando por prematuros, crianças, adolescentes e demais idades. As sequelas de doenças, que poderiam ser evitadas por meio das vacinas, podem durar por toda a vida. Como é o caso da meningite, capaz de desencadear déficit de atenção, dificuldade na fala, problemas visuais, amputação de membro e até mesmo a morte.
Vacinação impacta na qualidade de vida
Estar com a imunização em dia garante qualidade de vida aos imunizados porque, prevenindo as doenças, previne-se também o tratamento ou internamento pela enfermidade. Para a especialista, pensar em longo prazo é fundamental. “As pessoas costumam estar muito atentas só no hoje e esquecem do futuro. Esquecem que a vacina é um cuidado para o futuro”, pontua.
As doenças trazem prejuízo para o desenvolvimento das crianças e adolescentes; algumas podem atrasar o crescimento, a coordenação motora, a imunidade, entre outras consequências. Não há como saber quando as enfermidades irão chegar, mas é possível preveni-las, evitando que tragam prejuízos às crianças e adolescentes. “Os pais são os responsáveis pelo futuro, com saúde, dos filhos. Não vacinar a população infantojuvenil é assumir riscos, que poderiam ser evitados”, finaliza a especialista.
Centro de Vacinas Pequeno Príncipe
No Centro de Vacinas Pequeno Príncipe, referência em imunizações há mais de 20 anos, está disponível atendimento integral a todas as faixas etárias – de recém-nascidos até idosos. Funciona de segunda a sexta, das 8h às 19h, e aos sábados, das 8h às 18h, sem necessidade de agendamento. Além disso, também é possível que uma equipe vá realizar a vacinação em casa, mediante agendamento.

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Uia!!!